Polícia cumpre novos mandados de busca em 'esconderijos' de suspeitos de matar tio e sobrinho que furtaram carne na BA - Falando com Autoridade
atualizado.gif

01 julho 2021

Polícia cumpre novos mandados de busca em 'esconderijos' de suspeitos de matar tio e sobrinho que furtaram carne na BA


 As polícias Civil e Militar voltaram a cumprir, nesta quinta-feira (1º), mandados de busca e apreensão no Complexo do Nordeste de Amaralina, em Salvador, em casas utilizadas como esconderijos por suspeitos de envolvimento nas mortes de Bruno e Yan Barros, tio e sobrinho que foram assassinados após furarem carne em um mercado, em abril.

As novas buscas fazem parte da 2ª fase da Operação Retomada, e são feitas para ajudar na investigação e complementar os mandados que já foram cumpridos anteriormente.

Segundo a Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA), além do envolvimento nas mortes de Bruno e Yan Barros, os suspeitos também integram uma organização criminosa no Nordeste de Amaralina, que está envolvida com o tráfico de drogas, homicídios e roubos, além de porte ilegal de arma de fogo e corrupção de menores.

As buscas foram feitas por equipes do Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), Rondesp Atlântico e da 40ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM).

Na quarta-feira (30), um homem foi detido por mandado de prisão, em mais uma fase da operação que investiga os dois assassinatos. Segundo a SSP-BA, ele foi o responsável por "descartar" os corpos, no dia 26 de abril deste ano, e também é suspeito de traficar drogas na região do Nordeste.

Depois de torturados e assassinados, os corpos de Bruno e Yan Barros foram colocados no porta-malas de um carro. O veículo abandonado na localidade da Polêmica. A SSP detalhou ainda que o carro havia sido roubado cinco dias antes de ser localizado e estava com uma placa clonada.

Por meio de nota, o Atakadão Atakarejo prefere não comentar as operações policiais. A empresa informou que não tolera atos de violência, qualquer que seja a sua natureza.

Disse ainda que entende que os fatos ocorridos no Nordeste de Amaralina são graves e precisam ser apurados o mais rapidamente possível, a fim de que os envolvidos respondam por seus atos. Por isso, continua e continuará colaborando com as autoridades competentes. Por fim, a empresa informou que diversas medidas já estão em curso visando aprimorar o enfrentamento do racismo estrutural e serão divulgadas em breve.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Deixe aqui seu comentário: